ShareShareShareShareShare

Trabalho / marcas / ERA, arqueologia / Identidade

O objectivo desta identidade foi o de designar uma empresa de arqueologia neste novo contexto onde a comunicação deve responder ao imperativo do mercado mas também ter em conta o carácter científico da actividade.
A arqueologia privada é um acontecimento recente em Portugal que começou por ser recebida com reticências pela tutela. A ERA, Arqueologia foi a primeira empresa na área, e desde o início apostou numa atitude diferente, não só em relação ao seu desempenho, como à forma de o tornar visível.

Assim, a primeira marca da empresa precisava de ser, simultaneamente, prudente perante a tutela e afirmativa para os clientes.

Começámos por encontrar um nome.
Procurámos uma designação que condensasse diferentes ideias: "ERA" tinha essa qualidade. Sendo uma palavra polissémica, todos os seus sentidos revertiam em favor do objecto da empresa. Usamos "era" para referir uma determinada época (era cristã) ou ordem dos acontecimentos (era atómica). Começamos a contar histórias com "era uma vez". E, naturalmente, usamos "era" como o tempo do verbo que refere tempos idos.

Graficamente usámos a notação específica de representação das partes em falta, mas previsíveis, dos achados arqueológicos. Acentuávamos assim o carácter de exploração e complementaridade do serviço prestado pela empresa.
A designação incorporava todo o leque de serviços que a empresa fornecia – arqueologia, conservação, restauro e promoção –, necessária numa época em que a própria ideia de arqueologia privada era revolucionária.

Dez anos volvidos, e ultrapassados os receios iniciais por parte da tutela, assistimos a um crescimento do sector, com um número cada vez maior de empresas a prestar estes serviços.

A ERA, Arqueologia também mudou; cresceu e alterou-se.
O logótipo devia reflectir essas alterações, reafirmando o crescimento e o estabelecimento da ERA, Arqueologia como uma referência no sector.
A marca, sendo um veículo de memória, é acima de tudo o reflexo do negócio que simboliza e é dele que extrai o seu valor.

A arqueologia é hoje um pilar de um negócio mais vasto de prestação de serviços com grande qualidade técnica e científica na área do património histórico e arqueológico.
A ERA, arqueologia distingue-se não só pelo que faz, mas principalmente pela forma como o faz, pelo que representa e garante, e pela sua personalidade.
A mudança marcou uma nova mensagem central, afirmando a responsabilidade e competência únicas, uma aliança entre a acção e a reflexão, a visão comercial e o rigor científico, eficácia e qualidade.

Abandonámos a irregularidade da marca inicial em favor de uma nova unidade, mais afirmativa e estável.
Mantivemos a cor e o nome, assim como os tracejados que caracterizavam a ideia de arqueologia da primeira versão.
Acrescentámos um elemento humano, a vírgula que caracteriza o momento de questionar, de duvidar: Kairos, o momento em que decidimos e as nossas capacidades, saberes e competências e experiência emergem na resposta à respiração que a vírgula sugere: conhecimento com reflexão.

Sapiens Sapiens - a assinatura ou reforço da marca, o elemento de comunicação usado em capacetes e vestuário de obra - foi a designação escolhida para espelhar o espírito de excelência que todos assumem. A camisola que todos querem vestir.
 
[<][manual][>]
Maybe one day i'll learn Portuguese, until then, switch me to English.